Poupar é diferente, exige um planejamento centrado em quatro pilares: propósito, aplicação, disciplina e motivação. Propósito O propósito deve ser um motivo emocionalmente forte que te fará usar o dinheiro poupado apenas para realizar esse objetivo. Como também já citei no decorrer do texto, pode ser a construção de uma reserva de emergências, para realizar uma viagem de férias, para trocar o carro, para dar entrada em uma casa, pagar seu casamento… Enfim, algo que te ajude a se manter focado e motivado até conseguir realizar. Uma boa maneira de se manter fiel ao seu propósito é escrevendo uma carta com todos os seus sentimentos em relação àquele dinheiro. Ela deve ser endereçada ao seu “eu” no futuro. Sempre que tiver um impulso de gastar o dinheiro poupado, você deve ler a carta para se manter firme no propósito. Aplicação O passo da aplicação define onde os valores poupados serão guardados. Se em um porquinho na sua casa, em uma conta de banco ou em um investimento. De antemão, já digo que ao deixar o dinheiro em casa você estará literalmente perdendo dinheiro, por conta dos efeitos da inflação. A poupança também não é a melhor alternativa, embora possa ser utilizada no curto prazo. Desse modo, vale a pena você pensar com carinho em montar um plano de investimentos. Disciplina A disciplina para fazer acontecer está diretamente associada ao motivo, ao seu propósito. Por isso, ele deve realmente ser muito forte, pois só assim você conseguirá se manter firme e disciplinado com o passar do tempo. Muitas pessoas desistem de poupar justamente por não definirem aquilo que pretendem alcançar. Motivação: use a PNL A Programação Neurolinguística (PNL) é um conjunto de técnicas que tem como objetivo guiar as pessoas ao autoconhecimento e à realização de seus objetivos. Uma das técnicas de PNL que pode te ajudar a manter o foco no seu propósito é um exercício bem simples, mas eficaz. Para colocá-lo em prática é essencial se comprometer a imaginar os detalhes da forma mais real possível. Exercício Primeiro, você deve imaginar que uma situação HORRÍVEL aconteceu a você por não ter poupado o dinheiro para seu propósito. Imagine os sentimentos que essa situação traria para você, as consequências desastrosas… Tente visualizar da forma mais nítida possível. Se só de pensar você consegue sentir expressões físicas dessa angústia, como taquicardia, aperto no peito e vontade de chorar… você está realizando o exercício de forma correta! AGORA, imagine seu propósito sendo realizado após todo esforço e tempo investidos para que ele fosse alcançado. Sinta o gosto, o cheiro, a emoção de estar concretizando um sonho. Torne esse momento vívido, converse com você mesmo ou escute o que as pessoas de que gosta têm a te dizer. Curta o momento, sinta a alegria, crie vibrações e imagens mentais positivas. Sinta as boas sensações em seu corpo: entusiasmo, coração acelerando pela alegria, tranquilidade por ter aquela grana reservada, confiança de que está protegido para imprevistos e que pode fazer mais e melhor ainda. É importante viver as duas emoções, tanto a negativa como a positiva com a mesma intensidade, pois ambas serão cruciais para influenciar e motivar a sua mente a se disciplinar e a seguir firme. Uma última observação sobre o exercício: entre a situação ruim e a boa, você deve distrair sua mente com outro pensamento, para que possa se recuperar do baque inicial dos sentimentos ruins.