Um assunto que se populariza e desperta cada vez mais interesse. Dia após dia, aumenta o número de brasileiros dispostos à investir no mercado financeiro. Basta dar uma olhada nos diversos artigos e livros sobre economia, nos sites, blogs, podscasts e canais do Youtube dedicados a explicar o assunto e, também, no crescimento expressivo de consultorias financeiras, que prometem facilitar a vida dos novos investidores.

Mesmo com tanta informação disponível, muita gente ainda faz confusão: o vocabulário financeiro é cheio de siglas, as quais você deve sempre prestar atenção. Por isso, apresentamos aqui um dicionário básico com os termos mais utilizados neste mercado. É para você tirar de letra e arrasar no “economês”. Vamos lá!

AÇÃO: pequena fração do capital social de uma empresa.

AMORTIZAÇÃO: abatimento gradual de uma dívida por meio de pagamentos periódicos combinados entre o credor e o devedor.

BACEN/BC/BCB: siglas que se referem ao Banco Central do Brasil.

BOLSA DE VALORES: mercado onde pessoas e empresas se relacionam através da compra e venda de seus títulos e ações.

CDI (Certificado de Depósito Interbancário): indicador é baseado na taxa SELIC, refere-se a taxa de juros que os bancos cobram para emprestar dinheiro entre si.

CONSÓRCIO: ainda não sabe como funciona um consórcio? A gente te explica! Clique aqui e esclareça todas as suas dúvidas sobre uma das formas mais vantajosas e práticas de investimento, pois permite a aquisição do bem de forma planejada e com parcelas acessíveis sem o pagamento de juros.

DEBÊNTURES: título que representa empréstimo a uma empresa de capital aberto, rendendo juros e correção monetária. O comprador de uma debênture é um credor da empresa.

FGC (fundo garantidor de crédito): funciona como uma garantia aos clientes das instituições financeiras associadas de que poderão recuperar determinados créditos que possuem, de acordo com os requisitos e sujeitos aos limites de valor estabelecidos em seu Regulamento, em caso de decretação de regime de intervenção ou de regime de liquidação extrajudicial. Assim, o FGC contribui para a confiança das pessoas no Sistema Financeiro Nacional.

IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo): tem por objetivo medir a inflação de um conjunto de produtos e serviços comercializados no varejo, referentes ao consumo pessoal das famílias. Esse índice de preços tem como unidade de coleta estabelecimentos comerciais e de prestação de serviços, concessionária de serviços públicos e internet e sua coleta estende-se, em geral, do dia 01 a 30 do mês de referência.

RENTABILIDADE: retorno que se tem sobre o investimento que foi realizado.

SELIC: taxa básica de juros da economia. É o principal instrumento de política monetária utilizado pelo Banco Central (BC) para controlar a inflação. Ela influencia todas as taxas de juros do país, como as taxas de juros dos empréstimos, dos financiamentos e das aplicações financeiras.

Agora que você já conhece um pouco mais do vocabulário financeiro, que tal conferir nossas dicas sobre como investir melhor o seu dinheiro? É só clicar aqui!