Inflação! Palavra que causa medo e traz lembranças ruins para muita gente. Quem viveu no Brasil dos anos 80 ainda tem fresca a memória de suas consequências...Mas você sabe, de fato, o que ela significa?

A inflação nada mais é do que do um termo econômico, utilizado para se referir à alta dos preços de produtos e serviços em um determinado período. É a inflação que explica, por exemplo, o aumento no valor do aluguel, da alimentação, do vestuário, do transporte e da saúde. Também entram neste “combo” as despesas pessoais com educação, higiene e comunicação. Você se lembra o que era possível, há uma década atrás, comprar com 50 reais? Pois é! A inflação impacta também no seu poder de compra.

No Brasil, o indicador oficial da inflação é o IPCA - Índice de Preços para o Consumidor Amplo, que é calculado, todos os meses, pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). 

Mas o que causa este aumento nos preços? A lei de oferta e procura! Você se lembra do aumento repentino no quilo do tomate e da cebola? O preço destes produtos aumentou porque a produção diminuiu por causa do clima. Como consequência, o valor disparou nos mercados! Simplificando: quando a oferta de algum produto diminui, seja pelo clima ou por qualquer outro motivo, é natural que os preços acompanhem este movimento e subam.

A indexação é outro fator atrelado à inflação. Ela funciona da seguinte forma: índices de inflação do período anterior são utilizados para reajustar produtos e serviços, como  tarifas de ônibus, o salário mínimo e as mensalidades escolares. Como consequência, uma alta de preços acaba puxando outras.

O mercado de câmbio também tem influência na inflação. Se o dólar ou euro sobem, os produtos importados ficam mais caros e você acaba sentindo no bolso!

E o governo?

O governo também tem a sua parcela de culpa nos índices de inflação. Os altos impostos, a impressão de mais moedas e os gastos excessivos com a máquina pública também incidem sobre a inflação.

E com a inflação, como fica o meu consórcio?

Fique tranquilo! Nós pensamos em tudo! Para que você não perca poder de compra ao longo do tempo, o crédito e, consequentemente, as parcelas mensais, são atualizadas pela variação do INCC – Índice Nacional do Custo da Construção, se for consórcio de imóvel. Já o consórcio de automóveis, considera a tabela da fábrica, assim, o reajuste dependerá da avaliação da marca e não terá uma frequência definida, podendo ser mensal, trimestral, semestral ou anual. Viu só como o Consórcio é uma opção segura e economicamente vantajosa? Tá esperando o que? Vem para o Consórcio Servopa!